NAMM 2012 Feira Norte-Americana de Instrumentos Musicais - Publicação: 22 de março de 2012

NAMM 2012 Feira Norte-Americana de Instrumentos Musicais - Publicação: 22 de março de 2012

 

 

NAMM 2012

03 de fevereiro de 2012, por Ricardo Goedert
21 de março de 2012, por Ricardo Goedert
 
 
Mais uma vez estamos na NAMM 2012 pra acompanhar em 'avant premiere', tudo o que vai rolar no mercado baterístico e percussivo no que cabe ao instrumento musical em si.
 
A NAMM Show, como de praxe, aconteceu entre os dias 19 a 22 de Janeiro de 2012 no Anaheim Convention Center na cidade de Anaheim estado da Califórnia, próximo a Los Angeles. O local como sempre é sempre espaçoso, confortável e com uma bela estrutura física pra comportar um grande evento, exceto o serviço de internet que mesmo pagando chega a ser sofrível o nível da conexão por lá e isso é meio geral, por incrível que pareça pra se conseguir uma boa conexão de internet, creio que somente nas casas das pessoas, pois algo mais público é realmente sofrível, muito abaixo do Brasil nas grandes cidades, uma pena, mas enfim, com internet boa ou não aqui estamos pra conferir um pouco de tudo o que rolou neste grande evento.
 
Foi muito difícil fazer fotos e ver as coisas com conforto nesta vez, mesmo sendo uma feira "fechada ao público", logo no primeiro dia já era impossível fazer fotos ou andar com tranquilidade pelos corredores e estandes, meia hora depois da abertura do Convention Center, mal se andava ou se tirava foto tranquilamente. Mesmo com todo esse aperto e lotação, conseguimos clicar algumas fotos e fazer essa cobertura pra você nosso amigo leitor.
 
 
ALESIS
A Alesis foi pra feira imbuída em mostrar muitas novidades usando como ferramenta principal o Ipad para o seu funcionamento. Desde guitarra, mesas, gravadoras e até módulo de bateria eletrônica. De bateria mesmo vimos montada uma DM8 e uma DM10, os modelos mais top e novos da marca. É incrível a sensação de robustez e segurança ao se tocar nesses kits. Os pads possuem peles de bateria acústica, os bons pratos de borracha produzem um feel muito legal. É muito gostoso tocar com ambos os kits, a DM8, por exemplo, possui um módulo da DM10 mais enxuto, já a construção e componentes são praticamente os mesmos.
 
 
 
ANATOLIAN CYMBALS
A fábrica de pratos turcos, Anatolian, estava presente mais uma vez e expôs um pouco do seu arsenal de pratos fantásticos, bem feitos e modernos. Na hora em que fui o estande estava recheado de clones do Tony Royster tocando, girando baqueta em cima dos pratos e elogiando muito o som do que ouviam e tocavam.
 
 
 
BOSPHORUS CYMBALS
Falando em pratos turcos, a Bosphorus estava com um belo estande na feira e as vedetes eram os pratos da linha Samba e Latin Series, ambas as linhas desenvolvidas pela Bosphorus Brasil através do apoio técnico do Hernan Voyzuk e Bimbo Lourenço, O Grande Luthier. Que bela prataria! Pratos refinados, rústicos e com uma sonoridade ímpar. A Bosphorus vem cada vez mais conquistando o gosto dos norte-americanos com pratos com uma sonoridade bem clássica e vintage.
 
 
 
PARRA DRUMS
Dentro do estande da Bosphorus, o Ricardo Parra da Parra Drums da Venezuela, estava expondo algumas caixas artesanais com madeiras nativas da América Latina. Uma caixa mais incrível que a outra em sonoridade, o trabalho é absurdamente bem feito e 100% hand made. As caixas são construídas em madeira sólida e torneada. Algumas madeiras passam mais de 2 anos em um processo de secagem para que não venha a se rachar com facilidade com o excessivo uso dos bateristas. Junto daquelas caixas estava um modelo signature do Hernan Voyzuk, até pedi uma pra mim, um doente por caixas como eu não poderia deixar de ter uma caixa com o som daquela na coleção. Confiram o site do cara porque realmente vale a pena as preciosidades que o Parra faz com muito amor e ideologia www.parradrums.com
 
 
 
BRADY
Brady é uma marca australiana que cria os seus tambores com madeiras exóticas da Ásia e Oceania. A Brady é uma das marcas "Top Premium" mais conceituadas e adoradas dos EUA. Eu particularmente também sou um grande fã da marca. Vi expostas algumas caixas com acabamentos inéditos, madeiras finíssimas, tudo feito com o mais alto padrão de qualidade que lhes é peculiar. Um show de estilo, sonoridade e identidade própria. Havia ainda 2 kits montados, belíssimos, ambos na configuração 10, 12, 14, 16 e 22. É incrível a sonoridade das caixas e tambores Brady, o volume é sempre algo incrivelmente notável. Ouso dizer que a Brady é a marca que faz caixas de madeira com o volume mais próximo às caixas de metal, seja qual for a medida e profundidade o som é sempre um tiro pesadíssimo, tão alto quanto o seu preço.
 
 
 
CRAVIOTTO
O antigo artesão da DW John Craviotto, mais uma vez fez um dos estandes mais badalados da feira. John também tem a sua marca no pequeno hall de marcas "Top Premium". A cada ano que passa vejo um instrumento mais lindo e bem feito que o outro, sejam caixas ou kits de bateria, tudo é bonito e esmerado demais, dá vontade de ficar passando a mão e cheirando a madeira de cada tambor, tamanha a beleza e luxo em cada detalhe. Algumas caixas eu já tive e testei, agora falta chegar em alguma bateria Craviotto pra passar algum tempo curtindo e tocando, espero chegar logo a ter uma aqui no Batera Clube pra passarmos alguns meses ouvindo e testando as peças. As baterias mais bonitas e requintadas da feira toda, vi no estande da Craviotto, realmente um arraso!
 
 
CRUSH DRUMS
Marca de um dos antigos sócios e criadores da linha de bateras acústicas da DDrum, a Crush está garimpando um espaço a força no mercado norte-americano. As baterias são bonitas e bem feitas, os acabamentos são sempre cheios de cor e brilho. Gostei do que vi, é de fato uma marca com os instrumentos muito bem planejados e construídos. A DDrum perdeu um grande gás perdendo esse tal sócio, uma pena pra eles e sorte da nova Crush Drums.
 
 
 
DDRUM
A DDrum veio com o menor estande de todas as edições da NAMM que acompanho desde 2006. Pra se ter uma ideia, o estande deste ano não tinha nem 30% do tamanho do que vi ao vivo em 2008, realmente uma pena. Vejo a marca encolher a cada dia no mercado exterior e isso se refletiu no estande montado. Mesmo com poucos kits montados vi belíssimos kits econômicos, intermediários e top de linha da marca. Gostei muito das caixas também, não são instrumentos tão exclusivos e esmerados quanto Brady e Craviotto, mas considerando o preço bem razoável, tudo é bonito, bom e bem feito.
 
 
 
DIXON
A Dixon é a marca de uma das maiores e melhores fábricas de bateria da China/Taiwain. Eles fabricam baterias pra grandes marcas consagradas de grifes norte-americanas, europeias e japonesas. O 'know how' que eles têm pode ser um pouco visto em suas baterias, digo um pouco porque se forem usar todo o potencial que eles têm pra fazer kits para uma grande marca norte-americana que conheço, os preços seriam altos demais para uma 'etiqueta' não tão consagrada assim. Pra marca Dixon eles mudaram tudo radicalmente, desde as baterias mais baratas aos kits mais intermediários, caixas e ferragens, tudo foi remodelado para 2012. Gostei do que vi, torço pra eles conquistarem um espaço mais legal no mercado internacional na categoria de instrumentos mais econômicos, eles merecem também obter sucesso com a sua marca própria.
 
 
 
DRUM CRAFT
Vi a Drum Craft pela primeira vez na feira de Frankfurt na Alemanha em 2011, a Musikmesse. Vendo rapidamente por lá a marca já tinha me chamado a atenção. O centro de criação e desenvolvimento, assim como a marca, vêm da Alemanha, assim como a Crush, DDrum e algumas outras, as fábricas ficam em Taiwan e ou China. A Drum Craft vem investindo pesado na Europa e agora decidiram de vez aportar nos EUA. Olhando bem o produto posso afirmar que não deverá ser apenas mais uma marca, nota-se um ótimo projeto em cada produto. Desde os acabamentos, passando pelas ferragens e funcionalidades, tudo é muito bem feito e desenvolvido pelos meus ascendentes comedores de salsicha e chucrute. Aposto no sucesso deles cada vez maior na Europa e agora nos EUA.
 
 
 
DW DRUMS
Neste ano pensei que veria mais uma vez um dos melhores estandes da feira, mas infelizmente vi um dos piores, mais sem graça e desmotivados estandes da feira. Foi realmente lamentável ver a marca que mais considero e me orgulho de ter uma parceria comercial, profissional e pessoal se expor em um local absurdamente pequeno e sem graça, ainda mais considerando que estavam lá "comemorando" 40 anos de vida. Foi realmente uma frustração muito grande pra mim e pra todos os apaixonados pela marca! Feito em um espaço no piso superior da feira geral, a sala principal de exposição para o público não tinha mais de 30 metros quadrados. Atrás de uma parede eles "escondiam" um espaço bem maior, mas fechado ao público, mesmo podendo não fiz questão de entrar, vi meio ali de fora mesmo e constatei que não havia nada muito interessante lá pra dentro, poucas baterias estavam por lá e nenhuma novidade que valha a pena destacar aqui, a não ser um lindo kit comemorativo de 40 anos com uma madeira exótica fantástica garimpada por John Good. Uma pena! Creio que tanto eu quanto a grande maioria desejava ver um estande digno da marca criada e consagrada. Mesmo considerando que o mercado mundial passe momentos de ' bezerros magros', junto a isso a mudança de tudo o que estava na fábrica do México que foi transferida às pressas pra Califórnia, eles poderiam ter feito um pouquinho mais, afinal pra se construir uma marca como a DW levam-se décadas de extremo trabalho e esgotamento de ideias, mas pra se perder isso basta pisar na bola 1 ou 2 vezes, é meio injusto, mas é a vida como ela é. Torço que para 2013 eles possam compensar isso com um grande espaço recheado de novidades.
 
 
 
GIBRALTAR
A Gibraltar estava com o estande anexo à Gretsch, que também faz parte do mesmo conglomerado de marcas de uma empresa maior ainda. Um grande paredão com peças de reposição e acessórios nos dava uma noção do tamanho e das ideias que essa grandiosa marca nos oferece. Lindos bancos com revestimento ao estilo vintage foram lançados neste ano.
 
 
 
GIOCO
Essa marca é mais uma daquelas famosas por fabricarem produtos para outras grandes grifes internacionais. Com a sua marca própria eles não deixam barato e mostram um ótimo potencial de trabalho no que vi.
 
 
 
GMS DRUMS
A GMS é uma famosa marca norte-americana que faz instrumentos top de linha e mais recentemente instrumentos intermediários. A GMS possui uma identidade própria bem legal, Os kits são simples, práticos e diretos, sem muita firula pirotécnica e milhões de cores. São instrumentos que conquistam a gente pelo som. A vedete era um kit em efeito burst misturando as cores verde e natural, belíssima batera top.
 
 
 
GRETSCH
A Gretsch nos brindou com um baita e belo estande. Desde as linhas mais econômicas às mais caras, tudo estava por lá, e o melhor, tudo em tom de novidade e renovação. Um dos destaques eram alguns kits da linha Brooklyn Series, que me pareceu baterias semitop ou "top econômica", a mesma categoria das Renown Series e New Classic, porém com o visual e conceito mais vintage, desde as cores, acabamentos e medidas, tudo nessa série é puxado pro lado mais nostálgico do Jazz e Classic Rock, vi um kit de cada montado nessa configuração de 1 tom, 1 surdo bumbo e caixa para Jazz e Rock, belíssimas baterias. Um kit monstruoso todo cromado da linha USA Custom estava montado lá e foi um dos destaques da feira. Lindíssima bateria montada em um rack Gibraltar, ocupando pelo menos 20 metros quadrados. Gostei bastante de um kit comemorativo compatível à linha Catalina que será lançado este ano, assim como a linha Renown 57', essa batera possui um visual retrô dos antigos carros norte-americanos, belíssima batera. Falando nela, a linha Renown 57' também estava presente na feira em uma configuração jazz muito legal. Caixas e kits econômicos também enfeitaram bem o belo estande da Gretsch.
 
 
 
ISTANBUL MEHMET
A grande marca de pratos Istanbul Mehmet estava bem servida de estande e novidades. Muitos pratos das linhas Radiant, Custom, Series, Jazz Line e muito mais estavam por lá. O nosso monstruoso baterista Kiko Freitas também deu a graça no estande tirando fotos e distribuindo autógrafos para as pessoas, vi que por lá valorizam muito mais esse grande nome da nossa música, "santo da casa o espeto é de pau". Eu vi o Carmine Appice também desfilando por ali, agora ele também faz parte do casting de artistas da marca assim como recentemente foi contratado o grande Horácio El Negro Hernandez.
 
 
 
OYFUL NOISE e DUNNETT
Estão aqui mais duas grandes marcas que desfilam naquele hall de instrumentos "Premium Top". Pelo que reparei essas duas marcas estão se fusionando, pelo que entendi o grande Ron Dunnett está construindo tambores também pra Joyful Noise. O Hernan da Bosphorus diz que não, mas eu suspeito, isso é apenas uma suspeita. No estande tinha um lindíssimo kit rock com 1 tons, 2 surdos, bumbo e caixa, com um incrível requinte e acabamento fantástico. Claro que a grande especialidade deles não poderia faltar, muita caixa pra todo lado. Ali pude ver um instrumento mais exclusivo e bonito que o outro, pena que até pro bolso do americano esses instrumentos pesam muito.
 
 
 
JULIO FIGUEROA E TWO BROTHERS SHOW
No estande da MXL áudio acabei cruzando com o nosso amigo Julio Figueroa, grande baterista brasileiro ganhandor de 3 Grammy's, Júlio mora em Los Angeles há quase 20 anos. A Jam do dia era um medley do projeto Two Brothers na qual ele dirige e toca juntamente com o grande pianista Thiago Pinheiro e participação especial do baixista americano Dan Baker. O Fusion de Latin e Jazz estava matador, muita gente se amontoava no estande pra curtir um pouco do tempero e suingue da música brasileira.
 
 
 
KICK PORT
Cada ano que passa esse acessório para "dar um grau" no som do bumbo ganha mais adeptos. Neste ano lançaram os modelos cromado e dourado. Eu ainda estou pra sentir esse tal ganho no bumbo, confesso que preciso experimentá-lo em bumbos menores.
 
 
 
LUDWIG
Está aqui um dos meus estandes prediletos neste ano. A Ludwig veio com muita inspiração e força, alavancada pelas novas ferragens da linha Atlas. Finalmente eles remodelaram as ferragens que já carecia disso há muitos anos. A mudança veio tarde, mas pelo que vi fomos recompensados. A linha Atlas é subdividida em 4 séries, top, vintage, intermediária e econômica. Todas elas possuem tudo remodelado, do projeto ao acabamento das borboletas, do funcionamento ao design, tudo ficou muito bem feito. Vários kits top de linha Made USA estavam montados no estande. Keystone, Vistalite, Legacy, Classic Maple e também as mais econômicas como Element e Epic. Montaram um kit Vistalite gigante de acrílico transparente, com 2 bumbos, 4 tons, 2 surdos e este monstro agora é do novo endorser da marca, o referenciado metaleiro Dave Lombardo que recentemente veio a fazer parte da família Ludwig, bela contratação! Um paredão com mais de 30 caixas estava pendurado no estande, sem dúvida um grande sonho pra os amantes da marca.
 
 
 
MAPEX
A Mapex também veio com um bom estande, no mesmo padrão bem legal dos últimos anos. Várias cores novas da linha Meridian foram lançadas, uma belíssima Saturn Limited Edition também estava por lá. Caixas da nova linha Black Panther estavam expostas, assim como as caixas da linha MPX, econômicas e muito bem vendidas no Brasil. Um maravilhoso lançamento de bateria na linha Black Panther Drumset aterrissou na feira, é a Retrononic que fará trio com a Blaster e Velvetone. O modelo Retronosic, assim como o nome já diz, é voltado a uma sonoridade mais vintage, old school na onda do Jazz e Rock N' Roll, muito linda e bem construída. Os fantásticos pedais Falcon também estavam espalhados pelo estande, esses pedais são muito bons, melhor custo x benefício entre os tops. Pra terminar uma notícia não tão legal quanto tudo o que vi lá, eles estão ensaiando a troca de logo da marca, achei particularmente terrível o novo logo, extremamente desnecessário e de mau gosto, parece a mãozinha do Alex Kid dando um soquinho (personagem dos videogames), achei feio e infantil. Espero que eu me acostume e que as pessoas não achem tão feio.
 
 
 
MOLECULES DRUMS
Como todo ano, sempre existe uma categoria de momentos e coisas bizarras. Este ano o destaque legal foi a Molecules Drums, um kit de bateria feito de acrílico em forma de bola/balão só com afinação na parte superior e a parte inferior é totalmente fechada. Era incrível o peso e grave do som daqueles tambores, muito bizarro e interessante.
 
 
 
NATAL DRUMS
O Grupo Marshall é a detentora dessa marca de bateria recém-lançada no mercado mundial. Na mesma onda da DDrum, Crush, Drum Craft, entre outras, a Natal é desenvolvida e conceituada nos EUA e a construção dos produtos é feita em China/Taiwan. A piada de mau gosto não pode faltar e já tenho o slogan da marca se um dia vierem pro Brasil: "Natal Drums, a bateria que até Jesus pediria a Deus!". Bobagens à parte os instrumentos são de bom gosto, tudo bem acabado e construído, cores mais chamativas e brilhantes. Havia um enorme paredão com as cores disponíveis para as baterias e caixas. As ferragens também me pareceram bonitas e robustas.
 
 
 
ODERY DRUMS
A Brasileira Odery fez uma boa exposição no evento, faltou um pouco de brilho pra chamar mais a atenção, talvez uma modelo chamando a atenção, palmeiras, coqueiros, samba e mais elementos da nossa cultura, essa "bobeira" iria dar uma chamada extra de atenção e fazer frente aos lindíssimos instrumentos que estavam por lá. As linhas Fluence e Eyedentity estão aportando nos EUA este ano e a previsão é de aos poucos ganhar cada vez mais prestígio e espaço no mercado americano. Uma bela Odery Custom feita de Teca com bordas de reforço em araucária era o xodó do estande, que lindo instrumento. As Eyedentitys não fizeram feio frente à Custom, todo mundo que chegava pra dar umas batidinhas ficava de cara com o timbre e ataque das bateras, muito diferenciadas e acima da média pelo preço que custam. Pra completar a bela demonstração do poderio desta marca, eles tinham expostas várias caixas que faziam a alegria dos bisbilhoteiros e clones de malabaristas, todos ficavam de cara com o som das caixas.
 
 
 
PEACE
Muito diferente do que vemos no Brasil, nos EUA a Peace Drums mostra todo o seu potencial fortíssimo na construção de tambores e ferragens. Inclusive a Peace também é uma das marcas que fabrica instrumentos para outras grifes mais conhecidas do mercado. Um dos kits mais bonitos da feira era uma batera com o revestimento todo cravejado com desenhos Inca, fantástica!
 
 
 
PEARL
A Pearl como sempre faz o estande mais megalomaníaco de toda feira, o resultado é sempre o espaço mais cultuado, comentado e curtido da feira. Eles colhem o investimento com muito prestígio dos visitantes e vendas dos dealers, são sempre um sucesso os estandes da Pearl. Entre os destaques havia uma parte da bateria do Tommy Lee que estava montada, esse instrumento dá voltas em 360 graus e parte de todo esse aparato estava lá, assim como o próprio baterista para dar autógrafos. Uma reedição da Session Series clássica foi relançada, com aquele clássico mix de madeira (Birch e Mogno/Kappur), o som clássico da Session está de volta. O kit do Mike Mangini estava completinho e exposto, coisa linda. Baterias Vision faziam a festa da categoria intermediária. Uma Mastes MCX com rádica de olho passarinho deverá ser lançada em edição limitada, muito bonita. Vi uma linda Reference Pure e outra clássica, ambas chamavam muito a atenção dos visitantes. Só não chamaram mais a atenção do que algumas figuras que andavam por lá como Chad Smith, Todd Suchermann, Jimmy Degrasso, Marvin Smitty e muitos outros. Uma festa total e um show de estande.
 
 
 
PORK PIE
Mesmo com um estande mais enxuto a Pork Pie sempre dá as caras e, diga-se de passagem, sempre muito bem afeiçoada. Essa marca americana de baterias custom nos apresentou quatro lindíssimos kits custom, algumas caixas e ousados bancos com visual a La Carmem Miranda com Elke Maravilha.
 
 
 
SABIAN
A Sabian montou um mega espaço com grandes lançamentos e centenas de pratos expostos pra todo lado. Dentro do estande eles colocaram um lindo cilindro gigante com 5m de atura, uma decoração lindíssima e sem dúvida trabalhosa. Dentre os destaques, vi a nova medida de 17" do maravilhoso China Holy Signature do Chad Smith, novos pratos O-Zone da linha B8Pro. Outros pratos já em linha estavam lá para serem testados. O destaque mais incrível foi ver ao vivo a linha Player's Choice, esses pratos foram selecionados através de votação dos internautas. A Sabian ofereceu vários modelos e aos poucos os mais votados foram ficando e os outros menos votados foram perdendo a vaga, no final sobraram apenas 4 pratos que serão realmente produzidos em edição limitada, são eles: HHX Zen China 20", AAX Aero Crash, HHX Click Hats e AAX Stadium Ride. Vale a pena acessar o site http://cymbalvote.com para ver os vídeos com grandes nomes da marca testando e falando sobre os pratos, ver pessoas como Terry Bozzio, Mike Portnoy, Dave Weckl, Neil Peart batendo um papo, tocando e falando de prato não é todo dia. A Sabian mais uma vez fez um ótimo trabalho com grandes novidades e vontade de sempre buscar algo além da sua zona de conforto.
 
 
                
SAKAE
A Sakae Drums foi fundada em 1925 no Japão, mas só em 2008 que ela utilizou o nome da sua razão social como uma marca, até então tudo o que a Sakae produzia era exclusivo para os instrumentos Yamaha Made in Japan. É, eles sem dúvida sabem muito o que fazem, possuem know-how máximo na construção de instrumentos de altíssimo nível. As fotos não mentem e quem vê os instrumentos Sakae de perto não tem como não se encantar com o belo produto que eles criam com altíssimo padrão de sonoridade, as Yamahas made Japan nunca mentiram.
 
 
 
SJC DRUMS
Mais uma marca de baterias Custom Made in USA que usa cascos do fabricante Keller pra construir os seus kits. O que não se pode negar é o capricho e ousadia que esses caras têm pra fazer os acabamentos dos seus instrumentos, muito legal.
 
 
 
SONOR
A alemã Sonor não montou algo tão grande, sequer médio, mas o que vi foi suficiente pra continuar a minha veneração pelos seus tambores. A novidade top foi a Prolite, um kit top em Maple com casco vintage, fino com anéis de reforço na borda. Creio que essa série irá substituir a Delite a médio prazo. Eles melhoraram o sistema de tons flutuantes da Sonor, deixando o tambor ainda mais livre de contato com as ferragens. O automático foi totalmente renovado. Neste link você pode ver um belíssimo vídeo promocional dessa série . Uma nova caixa signature foi lançada, é a caixa do Mikkey Dee batera do Motorhead, ela tem a medida de 14x7,25” e ao que me parece terá um preço mais atrativo no mercado, custando abaixo dos R$ 900,00. O relançamento das caixas Phonic em Beech de 14x5,75” foi incrível, sou um grande fã de caixas Sonor. Uma linda Prolite prata sparkle estava montada, assim como uma amadeirada exótica fabulosa. Uma SQ2 instigante também era a cereja do bolo do estante, esta por sua vez é um dos meus sonhos de consumo atualmente, nada soa igual a uma Sonor feita em Beech, não digo melhor ou pior, digo igual, pois o som é muito único e peculiar dela, é incrível! O passeio lá foi realmente curto, mas incrível.
 
 
 
STAGG
A Stagg Cymbals vem crescendo a passos largos em todo mundo. Os pratos são fabricados em bronze B20 e o custo é bem inferior a qualquer outro prato de categoria similar, sendo um ótimo produto não só pro mercado brasileiro, mas em todo mundo. Este foi o maior estande da Stagg Cymbals em uma NAMM Show, eles mostraram um bizarro, gigante e belíssimo ride de 30", isso mesmo, não tem bag nem espaço pra transportar isso, mas o som era muito bom e o visual também. Outros pratos de linhas gerais e conhecidas no Brasil estavam espalhadas pelo estande para teste. Creio que aos poucos eles vão mudar tudo pro logo novo que foi “inspirado” na Paiste.
 
 
 
TAMA
A Tama também fez bonito demais com um grande e bem recheado estande. Fiquei feliz em ver que eles vão continuar a produção das baterias Maple e Bubinga Made in Japan, tanto que a vedete do estande era um kit Starclassic Maple gigante com mais de 15 tambores, acabamento interno e externo de mapa burl e o meio com maple. Eles fizeram a batera sem pele de resposta, para justamente mostrar o acabamento interno com mais detalhes, realmente uma jóia lindíssima! 
Novas cores da bem sucedida Silverstar foram lançadas pra completar as boas opções dessa categoria intermediária luxo da Tama. 
Uma nova linha de caixa também chegou, se chama S.L.P., essa linha possui 8 caixas de diferentes madeiras e metais, Bubinga, Maple, Aço, Alumínio, Brass. Outras caixas fantásticas estavam expostas, achei incríveis as novas Starphonic entre outras. Kits Starclassic Performer e Starclassic Bubinga também enfeitavam o belo espaço, cartada de mestre da Tama, o público agradeceu.
 
 
 
TAYE
Tá aqui uma marca que merecia e poderia ser melhor trabalhada no Brasil. No meio de tanta farinha do mesmo saco a Taye é uma das poucas marcas do mundo com o mais alto nível de identidade própria, qualidade e peculiaridade em seu projeto, além de ter a sua própria fábrica. Lindas baterias e muitas caixas estavam expostas pelo estande que todo ano marca a sua presença à altura da sua qualidade.
 
 
 
TRICK DRUMS
Marca americana que faz baterias e caixas em alumínio. O maior sucesso da Trick é o seu pedal duplo e o automático de caixa, que vem sendo usado em caixas de diversas marcas “Top Premium” do mundo todo.
 
 
 
TRUTH DRUMS
Marca americana de baterias custom que possui um bom prestígio nos EUA. Caixas revestidas com grama e bolinhas de golf, kits híbridos em acrílico com madeira, revestimentos de pelúcia e muito mais. Aqui toda criatividade é pouca, eles vão fundo na criatividade e muitas vezes são PHD na 'forçação' de barra.
 
 
 
YAMAHA
Seja na feira dos EUA como na Europa, nota-se que o setor de baterias da Yamaha realmente passa longe do foco de mercado deles, os outros segmentos da Yamaha Musical possuem sempre muito mais destaque. Mesmo com esse "descaso" em apresentar os seus instrumentos com mais tesão nas feiras internacionais, tudo o que se vê dos caras é um grande capricho e técnica de projeto e construção. A Yamaha faz baterias top incrivelmente simples e mágicas ao mesmo tempo. Kits Recording Custom com cores diferentes do padrão Vermelho e Vinho estavam disponíveis. Não acho que combina muito com elas, acabamentos fade ou burst, cores muito cheio de efeitos ou madeiras exóticas, isso na minha opinião não combina tanto com a linha Recording, nas outras sim, mas nelas eu manteria essa integridade. Algumas baterias eletrônicas DTX estavam montadas para deleite dos curiosos. Um lindo kit acústico PHX, que é hoje uma das baterias mais caras do mundo, senão a mais, estava montado lá, o instrumento é belíssimo, todos os cascos são grossos, me parecem com mais de 12mm até nos tons. Alguns kits Stage Custom e Tour Custom estavam montados por lá, mas sinceramente na minha opinião a Yamaha nasceu pra fazer instrumentos top, eles fazem isso como quase ninguém e passam o resto da vida dando cabeçada nas categorias intermediárias e entry-level.
 
 
 
ZILDJIAN
Me animei com a Zildjian este ano, vi e percebi em todos os pratos que toquei que eles estão voltando à velha forma da época anterior ao falecimento do Sr. Armand. Os pratos estão mais bem acabados do que nunca, tudo muito bem feito e construído. Os timbres estão mais legais e mais afinados, gostei muito do que ouvi, seja nas linhas baratas, mais leves ou heavy, tudo muito legal. Um dos destaques foi o lançamento do Ride A Custom Milestones Medium Thin Ride 21", feito para comemorar os 20 anos dessa bem sucedida linha. Um Pocket Hihats Avedis de 13" foi lançado, é um hihat bem heavy e brilhante, com um som muito agudo e mega definido quando tocado fechado, com muito volume, perfeito pra fazer a cama de condução de sons funk, pop, hip-hop, reggae e cia. A linha Constantinople foi toda renovada, achei incrível a maciez e versatilidade inédita nesta linha, mantendo-se a identidade própria de ser um crash bem dark e mais "morno". A linha toda ficou fantástica, sejam os crashes, rides ou hihats. A Zildjian é especialista em se fazer rides com timbre médio grave e grave, confesso que estou muito ansioso pra Zildjian fazer um ride mais heavy no mais velho estilo dos anos 80 e 90, isso faz muita falta, eles nos devem um ride mega surpreendente nessa categoria, o que não se pode dizer dos rides graves, na qual eles até poderiam "esquecer" um pouco e atacar nos rides mais pesados e também mais refinados. O que sobra na Sabian em relação a rides agudos e médio agudos, falta na Zildjian e o que sobra na Zildjian de rides incríveis com timbre grave, falta na Sabian, realmente essa família se completa, querendo ou não, de bem ou de mal.
 
 
 
Este foi o nosso breve passeio na NAMM Show 2012, espero que dessa forma o querido amigo leitor possa ter viajado um pouco com a gente nesse mundo de sonhos e instrumentos maravilhosos. Torço para que quase tudo chegue logo aqui no Brasil, que os nossos importadores possam apertar o cinto e repassar aos lojistas preços mais legais e justos, só dessa forma os consumidores poderão pagar preços mais justos na maioria das coisas relacionadas à nossa amada bateria. 
 
Agradeço o apoio do portal Batera.com.br, Odery Drums, Gustavo Goedert e a todos os amigos e parceiros do Batera Clube drumshop.
 
Ricardo Goedert é diretor e fundador do BateraClube.com.br, a 1ª drumshop online do Brasil. Atua como consultor técnico, analista de produtos e publicitário para diversas marcas internacionais que são representadas no Brasil e instituições ligadas a bateria. Nas horas vagas toca na banda de rock RemotoControle.com.br. 
 
 
 
 
 
 
 

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!