Simone Sou

Simone Sou

 

Simone Sou

*texto publicado, integralmente, como o original.

 

Simone identifica O RITMO como uma manifestação sonora de grande expressão vital e artística. Descobre a BATERIA em 86, tendo aulas na antiga DRUM,escola de Flavio Pimenta ( fundador do grupo Meninos do Morumbi ), depois de um primeiro contato com o piano na infância. Em 1988 entra para uma banda de Hard Rock, formada por mulheres, sendo a primeira experiência como baterista. Em 90 viaja para Inglaterra, onde conhece o senegalês Sagar N`gom , que à introduz a percussão africana . Trabalhando juntos por 6 meses, Simone participa de shows e workshops em Cambridge. Em 91, de volta a São Paulo, integra - se a banda de reggae Pacificos da Ilha, de Jai Mahal, radialista e pioneiro do estilo no país, realizando shows na capital ( momento de efervecência na cidade , tocando em casas como Aeroanta e Dama Xoc ). Forma também, a banda de reggae de mulheres Shalla Bal, tocando em São Paulo e outras capitais. Em 92 é convidada a participar da banda feminina de Itamar Assumpção, as Orquideas do Brasil. No mesmo ano entra para a banda de Chico César e é convidada a participar do grupo de teatro do artista plástico Romero de Andrade Lima, Grupo Circo Branco , junto as Pastorinhas, realizando peças teatrais musicadas. Também faz parte da Companhia Brasileira de Mystérios e Novidades, da diretora Ligia Veiga, apresentando teatro de rua, atuando em perna de pau , participando de apresentações em São Paulo, e festivais de teatro, como em Canela, no Rio Grande do Sul, e Salvador. Em 93 participa do disco “ Bicho de sete cabeças “ - De Itamar, com as Orquideas , sendo essa sua primeira gravação, de onde fez surgir seu nome artístico SIMONE SOUL ( na época com L ). Em 94 integra - se a banda paulista de reggae Nomad, realizando shows pelo Brasil. No mesmo ano, participa de varios outros trabalhos, acompanhando artistas da cena MPB, como Vange Milliet, Miriam Maria, Tonho Penhasco, Natalia Barros, Laura Finocchiaro, etc... Em 95 começa a realizar shows junto a Chico César, por todo o Brasil . Em 96 participa do primeiro CD de Chico César com a banda CuzCuzCla , e intensifica - se o trabalho de divulgação do artista pelo país. De 97 a 2000 Simone acompanha Chico César em todas suas tournês , pelo Brasil, Japão, EUA, e Europa ( Portugal, Itália, Espanha, Inglaterra, Suiça, Finlândia, Alemanha, Holanda, França, Turquia, Belgica ), tocando em Festivais renomados como Montreux Jazz Festival, Jazz Heritage Festival em New Orleans, e muitos outros, e grandes eventos, como no final da copa de 98, na França. Em 98 é formada a big band paulista Funk Como Le Gusta, onde Simone toca percussão por 4 anos, participa do primeiro CD da banda, de shows pelo Brasil, e festivais como o Free Jazz, em São Paulo e Rio de Janeiro. De 98 a 2000 Simone acompanha a compositora e violonista Badi Assad, em festivais pela Europa e EUA, como o JVC Jazz Festival em NY, Lilith Fair itinerante, e realiza shows em varias cidades. Em 2001 toca por alguns meses com o Titâ Paulo Miklos em seu trabalho solo, e logo é convidada a entrar para a banda de Zélia Duncan, gravando o DVD “Sortimento” , e realizando shows por todo o Brasil e Portugal até 2002. No mesmo ano de 2001, surge o primeiro trabalho autoral, Projeto CRU, em parceria com o Baixista e produtor Alfredo Bello, e o saxofonista Marcelo Monteiro, apresentando – se em várias casas de shows em São Paulo ( Supremo Musical, Sesc Instrumental Paulista, Pompeia, Vila Mariana, e Sescs do interior do estado, Grazie a Dio, etc... ) e em eventos como o Forum Cultural Mundial, Festival de Música Independente de Maceió, Festival de percussão de Campinas, Circuito Cultural Paulista, Independencia ou Sorte – Curitiba - e shows em outras capitais . Em 2002 é convidada a entrar na banda de Zeca Baleiro, gravando o DVD “Pet Shop Mundo Cão “, realizando shows com o compositor pelo Brasil, Portugal, Alemanha, Belgica ( Sfinks Festival ), Cabo Verde, e do ano no Brasil na França. Em 2003 Simone participa da produção musical do CD dos Índios Caiapó, do Xingú, junto a produtora Dialeto, tendo realizado já o CD dos Mehinaku, trabalho de fusão de música contemporânea e indígena. No final deste ano, Simone participa do projeto MPB – BPM , patrocinado pelo Conselho Britânico de Artes. A big band, Orquestra Scotland – Brasil , formada por 16 músicos ( 8 brasileiros e 8 escoceses ) preparam um show com músicas dos dois países, tocando no Brasil, Escócia e Inglaterra . Em 2004, Simone junta – se a Robertinho Silva, renomado baterista, em uma viagem para a Ilha Reunião, em um intercâmbio percussivo , onde trabalharam lá, com um grupo de artistas, por 20 dias. No mesmo ano participa da montagem teatral do ator João Miguel, sobre a obra de Arthur Bispo do Rosário, fazendo a trilha sonora ao vivo, ao lado de Erico Theobaldo, em cartaz no sesc Belenzinho durante um mes. Faz alguns shows acompanhando Otto na Inglaterra e França, e acompanha o também pernambucano cantor e compositor Junio Barreto, em vários shows por São Paulo e outras capitais. Em 2005 volta para a banda de Chico César, acompanhando o compositor em shows pela Europa junto ao compositor e pianista do Congo , Ray Lema. Na França, realiza um show ao lado do mestre de djembe de Burkina Fasso, Adama Dramé, e do percussionista brasileiro radicado em Paris ,Silvano Michellino. Participa também da gravação do DVD de Chico César e Quinteto da Paraiba, “De uns tempos pra cá”. Em 2006 acompanha o cantor em show na Australia e Nova Zelândia, no renomado Womad Festival . Lança, pelo selo Mundo Melhor de Alfredo Bello, o CD Batucajé, projeto de Percussão Experimental Brasileira, em parceria com Robertinho Silva, Jadnna Zimmermann e Alfredo Bello. Lança também o CD do Projeto CRU. Nesse mesmo ano, é convidada a participar da nova formação de Os Mutantes, com gravação de DVD em Londres, e tournê na Europa e EUA. Ainda em 2006, toca na feira do automóvel, na stand da Volkswagem, acompanhando vários nomes da cena POP do Brasil, como Nando Reis, Luciana Mello, Luiza Possi, entre outros. Em 2007 participa de show dos Mutantes pelo Brasil, Europa e EUA, tocando em lugares como o Hollywood Bowl, em Los Angeles, abrindo o show da banda Flaming Lips, no Filmore East, em São Francisco, Lincoln Center em NY, e em outras cidades como Seatle, Chicago, etc... No mesmo ano participa do Festival Internacional de Percussão, realizado pelo sesc Consolação, ao lado de Guilherme Kastrup e Arnaldo Antunes. Toca no Reveillon de São Paulo, na Avenida Paulista, acompanhando o cantor Cacau Brasil. Em 2008 Simone realiza seu primeiro show solo acompanhada de sua nova banda, formada por mulheres: Jadnna Zimmermann, Lelena Anhaia, Camila Lordy e Marina Uehara, em um show realizado no Auditório Ibirapuera, com convidados especiais: Rita Ribeiro, Badi Assad, Robertinho Silva, Fanta Konatê, e Projeto CRU. A partir desse show, Simone muda seu nome artístico para SIM ONE SOU, propondo um momento de renovação em sua carreira, apresentando composições próprias baseadas em ritmos brasileiros e do mundo, em temas instrumentais e cantados, num comportamento musical experimental e livre. Nesse mesmo ano, Simone foi escolhida a representar o Brasil no projeto “Truckstop”, desenvolvido pelo quarteto de cordas de NY, Ethel, onde a proposta é juntar músicos de vários países e montar um show inédito. Esse trabalho foi realizado em Tilburg, na Holanda, durante duas semanas , com ensaios e apresentações no conceituado Jazz Club Paradox e no Festival Mundial, em Tilburg. No mesmo ano , Simone se apresenta ao lado da parceira Jadna Zimmermann durante a feira do Automovel, no Anhembi, no stand da Ford, realizando a trilha sonora e perfonce ao vivo. Em 2009 Simone participa das gravações do novo CD dos Mutantes. No comeco do ano, entra para a Orquestra Mundana, liderada pelo compositor/violonista Carlinhos Antunes, gravando DVD ao vivo no Auditorio Ibirapuera. Fazem shows pela capital, em sescs, e eventos como a homenagem a Luiz Gonzaga, realizado pela prefeitura de SP no Anhangabau. Participa, junto a Carlinhos Antunes, da III Jornada de Cinema Silencioso, realizada na Cinemateca de SP . Nesse mesmo ano, Simone acompanha a compositora e multi instrumentista cubana Yusa, em shows pela Inglaterra , ja tendo feito uma tour no ano anterior, pela Inglaterra, Espanha e Franca. Simone acompanha tambem Anelis Assumpcao em shows, e nas gravacoes de seu primeiro cd solo. Simone finaliza, junto a produtora DGT de Toni Nogueira , e a percussionista Miriam Capua, o documentario sobre Osvaldinho da Cuica - Cidadao Samba - lancado no Cine Sesc. Tambem produziu o segundo cd da cantora Mririam Maria, a ser lancado em breve. Simone tb participa da gravacao do DVD de 10 anos da banda Funk Como Le Gusta. Ainda no fim do mesmo ano, Simone retoma seu duo de percussão com Guilherme Kastrup, o SOUKAST, se apresentando em Kopenhagen – Dinamarca - na noite OFF do Womex Festival, e continuando o som no Brasil, fazendo shows e workshops. Em 2010 comeca a tocar com o russo Oleg Fateev, num duo de acordeon e percussão, misturando as duas linguagens , fazendo shows em SP, Curitiba, Fortaleza, Juazeiro, PA e Paraiba. É convidada a participar novamente da IV Jornada do Cinema Silencioso, realizada pela Cinemateca, ao lado de Camila Lordy. Prepara para lançar seu primeiro CD solo, no segundo semestre desse ano. Simone, em sua trajetória, participou de várias gravações de Cds... Itamar Assumpção, Chico César, Zélia Duncan, Zeca Baleiro, Mutantes, Elza Soares, Rita Ribeiro, Wanderléia, Alzira Espíndola, André Abujamra, Péricles Cavalcanti, Virginia Rosa, Zizi Possi, Junio Barreto, Moisés Santana, Banda Funk Como Le Gusta, Banda DonaZica, Záfrica Brasil, Sergio Molina, entre outros. E também acompanhou em shows, grandes nomes da MPB, como Jards Macalé, Elba Ramalho, Marku Ribas, etc... SIM ONE SOU é uma afirmação pessoal positiva em relação ao mundo , inspirada no comportamento humano urbano coletivo . É um alerta interno, um despertar em si, para dialogar com o outro em auto nível de sensibilidade. É deixar de SER VOCÊ para NOTAR O OUTRO. D epois de anos de experiência acompanhando artistas, viajando pelo mundo e pesquisando sonoridades , Simone se sente “convocada” a dar sua própria mensagem, através de seu som e da busca de sua impressão digital musical. O nome SIM ONE SOU revela essa postura . Tirando o L do SOUL, Simone pretende imprimir essa “alma sonora” , definida em tudo que já realizou com outros artistas, tão implícito que já não é preciso explicitar no nome. O nome volta a ser Sou, de Souza , Mulher Brasileira, que é, e também Sou de Ser, de ser UM, SIM, alguém que quer contribuir para um mundo melhor, através de seus SONHOS SONOROS possíveis de realizar, e melhorar a AURA do mundo... Simone conta , em seu novo show, com suas parceiras de trabalho, Jadna Zimmermann, Camila Lordy, Clara Bastos, Marina Uehara, Isla Jai. O MUNDO PRECISA DE MAIS ENERGIA FEMININA, NÃO APENAS NA DELICADEZA, MAS NA CORAGEM E OUSADIA... DE SOM A SOM NO DIA A DIA APRENDO A MÚSICA QUE RESPIRA. HUMANA, SONHADA E VIVIDA, A MÚSICA CONVOCA, INCOMODA E INSPIRA. COMO O TRABALHO DE FORMIGA, PASSO A PASSO SE CONSEGUE COMIDA. O UNÍSSINO TOMA A FORÇA QUE PRECISA, E ENSINA NOTA A NOTA, UMA A UMA, A PULSAR NA MESMA BATIDA. O PÉ NO CHÃO, A ALMA ERGUIDA, O TAMBOR A MÃO CONVIDA. SIM ONE SOU.

 

 

 

 

 

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!